terça-feira, 26 de setembro de 2006

Um breve resumo da minha longa e rica carreira militar

Dia 26 de setembro de 2006. Desde antes de eu ir para os Estados Unidos, este dia estava marcado como o dia em que eu me alistaria no Exército Brasileiro.

Hoje foi o dia.

Me apresentei às 7 da manhã, na sede do Terceiro Grupo de Artilharia Anti Aérea, o Terceiro GAAAe, pois a pátria requeria meu sacrifício.

Desde que me conheço por gente, um dos assuntos mais comuns entre homens brasileiros é o serviço militar: os que já passaram pela experiência falam como foi duro e sofrido ser soldado raso ou ser aluno do NPOR (Núcleo Preparatório de Oficiais da Reserva); os que ainda estão para passar por esta experiência, falam sobre como escapar da vida de quartel, ou como suportá-la. Comigo não foi diferente, e várias vezes já discuti com meus amigos sobre os métodos obscuros de seleção dos soldados, a qualidade do equipamento militar (caindo de podre), a vontade e os meios de não servir ou como seguir carreira.

As opiniões divergem: uns querem servir e seguir carreira, outros tem aversão a tudo que seja oriundo do exército. Já tive as duas opiniões. Hoje de manhã, só queria ir para o quartel, me apresentar e ficar livre de uma vez por todas do terror de ser peão (nome para "soldado raso" em miliquês).

Descreverei meu caminho pelo quartel em etapas:

Primeira Fase: A Entrada
Cheguei no quartel, exatamente às 7 horas da manhã, e entreguei meu certificado de alistamento para um soldado que estava ali por perto. A pontualidade provou ser uma desvantagem. De cara, tive que entrar em uma fila e esperar os atrasados, para daí então passar pelos exames de fato. Depois que todos os candidatos chegaram (pelo menos a maioria), nos levaram até o ginásio da base, onde todo um esquema tinha sido preparado para nos receber e nos selecionar.

Segunda Fase: O Paciente Inglês
No ginásio, um capitão ("com grande satisfação") nos explicou sobre a lógica do processo de seleção, que no fim não me pareceu tão abstrata como dizia a lenda: quem tivesse estudado até o Segundo Ano do Segundo Grau concorreria a uma vaga como soldado raso, e quem tivesse cursado ou ainda estivesse cursando o Terceiro Ano do Segundo Grau ou alguma faculdade, seria candidato para aluno do NPOR. "Menos mau" pensei "pelo menos me fodo com honras como oficial". A procura por médicos, dentistas e veterinários parece ser grande, pois perguntaram com bastante ênfase se algum de nós alistandos cursava alguma destas faculdades. A seleção não consiste apenas de escolaridade, contudo. Antes de mais nada, faríamos um exame odontológico, e logo em seguida, um exame médico, ambos muito breves. Depois disto, tiraríamos nossas medidas corporais como peso e altura, para fins de registro. Em seguida, nos passaríam uma prova, provavelmente para confirmar que sabíamos ler e escrever, e logo após, uma entrevista cara a cara com um oficial ou sargento. No final, aqueles que cursam ou cursaram o Segundo Grau faríam mais uma prova, de conhecimentos gerais ("Qual é a capital do Burkina Fasso?" e merdas do gênero).
Depois que o capitão terminou sua breve explicação, começamos a ser chamados para mostrarmos algum documento como carteira de identidade ou certidão de nascimento, e com isso, comprovarmos que realmente nos apresentamos no dia marcado, para então fazermos o exame médico.
Durante a nossa espera, foi nos concedido o privilégio de assistirmos uma fita de propaganda das Forças Armadas do Brasil. Tirando o propagandismo descarado, eram interessantes.

Terceira Fase: O Efêmero Exame
Fui chamado para fazer os exames médico e dental. Claro que tive que esperar novamente, pois sempre iamos em grupos de 10 para o exame. Uma dentista (e única mulher que vi fardada) analisou a nossa saúde bucal, na consulta odontológica mais rápida da minha vida: 10 segundos. O exame médico foi um pouco diferente. Cada candidato ficou em um box, de pé, e um médico (ou pelo menos um enfermeiro) falou pessoalmente por 30 segundos com cada um de nós (foi um aumento de 300% no tempo da consulta). Mostrei alguns exames para este suposto médico. Ele leu algumas linhas, e escreveu algo no crachá que eu estava usando. Quando nos chamaram para o próximo teste, eu e alguns outros ficamos para trás, e fomos imediatamente mandados de volta para as cadeiras da espera. Fui dispensado.

Quarta Fase: A Longa Espera
Fui dispensado, mas continuava dentro do quartel, com a diferença que agora eu não tinha esperança de fazer mais nada a não ser esperar. Essa espera foi o verdadeiro teste de resistência: agüentar 3 horas sentado, olhando pela terceira vez os vídeos de propaganda das Forças Armadas. Rebobinaram a fita e passaram a fita de novo 3 vezes. Acho que o Exército estava nos testando, para ver se seríamos bons espiões e informantes, que não revelariam nenhuma informação relevante sob tortura. Acho que me saí bem, pois não me joguei no chão implorando pela minha mãe depois de ver o mesmo filme sobre a Escola de Sargentos do PQP. Foi duro, mas eu sobrevivi.

Quinta Fase: Quebrando a monotonia
Depois de horas infindáveis, o capitão teve pena de nós CDIs (dispensados do serviço militar) e nos deu uma folga, pois nos foi permitido sair do quartel para pagarmos na agência dos Correios uma taxa de documentação que ainda não entendi porque tivemos que sair para pagar... mas não importa! Pude sair daquele ginásio quente, e pude olhar para... para... bem, qualquer coisa era mais agradável que aqueles vídeos naquela altura do campeonato.

Sexta Fase: Quase um "Sieg Hail!"
Mas faltava uma coisa ainda: o juramento à bandeira, e eu não poderia sair do quartel. Fomos para o lado de fora do ginásio junto com um tenente, que ficou nos falando sobre levar nossa escova de dentes e mamadeira para algum lugar caso fossemos convocados para serviços extraordinários e outras besteiras. Mas isso não importa agora. Ele nos ensinou duas coisas (supostamente) importantes: as posições de ordem unida para o juramento e o juramento à bandeira. Ele ficou bradando "SENTIDO!" e "DESCANÇAR!" por uns 10 minutos. Já conhecia a rotina dos escoteiros. O que aprendi de novo foi o "POSIÇÃO!" para saudar a bandeira. A primeira coisa que pensei quando ele nos mostrou como deveríamos fazer foi "Mas só falta um 'Sieg Hail' aqui pra virar quartel nazista".
O Juramento em si é um caso a parte. Tivemos que ficar treinando o que tinhamos que dizer, com o tenente nos chamando de bichinhas por falarmos baixo demais ou fora de ordem. Demorou, mas foi.

Sétima Fase: A Carta de Alforria
Feito o juramento, recebemos o que me disseram ser a minha "Carta de Alforria": o documento de reservista. Eu sou um reservista do Exército Brasileiro agora! Não é supimpa?

E assim, termina minha carreira militar. Pena que me dispensaram. Com toda a experiência que tenho em jogos de estratégia, eu seria um ótimo general.

5 comentários:

Masterplanner disse...

Bem.. seu "martirio" foi beeeeem menor do que o meu. Tu foi dispensado no mesmo dia... Eu tive que ir mais tres vezes por la... Me alistei em agosto e dispensado somente 10 dias antes do ano militar iniciar, em fevereiro seguinte.

Bem vindo ao clube dos reservistas!

Andarilho disse...

É, eu admito que tive sorte por me dispensarem logo de uma vez (o que não faz um exame médico na mão nessas horas). Mas que aqueles vídeos eram tenebrosos, ah eram!

Mr. Titus disse...

é como tu disse, falta tres anos para mim me alistar ainda e eu ja fico pensando como será que irei me livrar. Agora pelo menos sei como é a rotina de alistamento...

Masterplanner disse...

A rotina dele foi muito, mas muito mais fácil. Um dia eu conto a minha pra vocês!

Andarilho disse...

Taí uma boa idéia.